sábado, 6 de novembro de 2010

PRÉ-PROJETO EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA


PRÉ-PROJETO DE PESQUISA  EM EDUCAÇÃO INCLUSIVA


Chyntia Silva Teixeira
  
Pirenópolis - Goiás
2010

 1 INTRODUÇÃO



1.1 Título



Inclusão da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) nas classes comuns de ensino regular.  


1.2 Tema


A sociedade evoluiu e discursos sobre os direitos humanos fizeram com que novas possibilidades de ensino fossem repensadas.
Em termos teóricos: Jean Piaget, com a abordagem interacionista e Vygotsky com a abordagem sócio-interacionista. Ambas destacando um papel determinante da interação do sujeito com o mundo que o cerca.
A Língua Brasileira de Sinais torna-se um recurso  imprescindível para que haja a comunicação entre pessoas surdas com as demais de sua convivência, tornando-se base facilitadora dessa interação e convivência. 
 

1.3 Problema


Desde 2008 atua em nossa unidade de ensino uma profissional surda, que vinha trabalhando como auxiliar de secretaria, ajudando a cuidar das crianças no período do recreio e na entrada e saída da escola. As crianças mostraram-se curiosas ao notarem que essa funcionária se comunicava de maneira diferente: usando LIBRAS. A curiosidade gera inquietações, então porque não aproveitarmos efetivamente a oportunidade de convivência com uma pessoa surda que domina LIBRAS, e favorecer a convivência dessa funcionária entre toda a comunidade escolar? 

1.4 Justificativa da Pesquisa


Buscamos o aprendizado através do planejamento e desenvolvimento de atividades que possibilitem situações em que os alunos trabalhem a cooperação e trocas entre si, que experimentem vivências desafiantes para transporem barreiras impostas pela própria sociedade e que aprendam a aceitar, respeitar e valorizar a diversidade.
O Projeto de Inclusão da Língua Brasileiras de Sinais nas classes comuns de ensino regular contribuirá para o fortalecimento dos vínculos com a inclusão na nossa unidade de ensino.  


1.5 Objetivos

 

1.5.1 Geral


            Promover o aprendizado e desenvolvimento da Língua Brasileira de Sinais, visando o respeito e valorização das diferenças.

 


1.5.2 Específicos

 

a)      Flexibilizar o processo pedagógico no ensino regular;
b)      Favorecer o processo de Inclusão Educacional desafiando os preconceitos para aprender a aceitar as diferenças e a não discriminar;
c)      Reconhecer e valorizar a diversidade;
d)     Promover a iniciação do aprendizado de LIBRAS de forma cooperativa; e
e)       Envolver toda a comunidade escolar em atividades variadas.


2 REVISÃO DE LITERATURA




Analisando a perspectiva da inclusão como modos de se pensar a escola, entendendo-a como uma inovação educacional, MACHADO (2006) ressalta a significância da inclusão nas escolas:

A inclusão escolar leva em consideração a pluralidade das culturas, a complexidade das redes de interação humanas. Ela não está limitada à inserção de alunos com deficiência nas redes regulares de ensino, pois beneficia todos os alunos, com e sem deficiência, que são excluídos das escolas comuns e denuncia o caráter igualmente excludente do ensino tradicional ministrado nas salas de aula do ensino regular, motivando um profundo redimensionamento nos processos de ensino e de aprendizagem.
 
O Projeto de Inclusão da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) nas classes comuns de ensino regular vem em caráter experimental, mas já se antecipa alguns resultados, conforme GUARINELLO (2007) aponta “o enfoque educacional bilíngue envolve atitudes positivas com as pessoas surdas e a língua de sinais [...]; ainda relata quanto à experiências bem sucedidas da proposta bilíngue, “ a implementação da proposta bilíngue fez com que a auto-estima dos surdos melhorasse [...] que fossem oferecidas aos surdos as mesmas oportunidades dadas aos ouvintes”. Observa-se que é o mínimo a fazer-se, além disso inúmeros frutos poderão ser colhidos no desenvolver de tal projeto.
Faz-se importante salientar o que vem a ser a Língua Brasileira de Sinais e GUARINELLO (2007) relata que “[...] é uma língua viso-espacial que se articula por meio das mãos, das expressões faciais e do corpo”. Seguindo [...] “as mesmas regras das outras línguas de sinais; elas são produzidas em um espaço na frente do corpo que se estende do topo da cabeça até a cintura, tendo uma distância entre a mão direita e a esquerda estendidas lateralmente.” Nota-se que a iniciação em LIBRAS poderá permitir o desenvolvimento de expressões, o estreitamento das relações no contexto da comunidade escolar.

A Língua de Sinais para GUARINELLO apud FERREIRA BRITO et al. (1998) “ [...] surgiu espontaneamente da interação entre pessoas e porque ‘devido a sua estrutura, permitem a expressão de qualquer conceito [...] e de qualquer significado decorrente da necessidade comunicativa e expressiva do ser humano.’

Uma vez permitida a efetiva vivência da pessoa surda com ouvintes, ainda que seja apenas um surdo inserido no contexto escolar, a exemplo da realidade da nossa Unidade Escolar, iniciar-se-á os primeiros passos rumo à inclusão. Tal ação conduzirá à outras questões relevantes como o modo com que os profissionais lidam com as diferenças, tornando-os mais reflexivos quanto às suas práticas cotidianas, minimizando os ranços do ensino tradicional, dando abertura às práticas inclusivas que envolvem a participação e o desenvolvimento de TODOS.

 


3 METODOLOGIA



As aulas se desenvolverão nas classes comuns de ensino regular quinzenalmente e com duração de 30 minutos.
Os conteúdos a serem abordados deverão se adequar ao nível de cada turma. Inicialmente os conteúdos das turmas de Jardim I, Jardim II e 1º ano serão:
·         Vogais;
·         Números de 0 a 9;
·         Cumprimentos;
·         Animais e
·         Palavras de uso cotidiano.
Nas turmas de 2º, 3º, 4º e 5º anos os conteúdos básicos serão:
·         Alfabeto;
·         Números;
·         Palavras e
·         Frases de uso cotidiano.

As aulas serão planejadas em conjunto: Professora de Recursos Multifuncionais/ Professores das salas de Ensino Regular/ Profissional com surdez que atua na Unidade Escolar.
Fundamentar-se-á o presente projeto com pesquisas de literatura sobre o tema inclusão, o que ampliará o acervo de pesquisa para a comunidade escolar.
O projeto terá como fio condutor o trabalho com o lúdico. Utilizar-se-á jogos e brincadeiras para que as crianças possam se apropriar do mundo. O papel do instrutor surdo juntamente com os professores será de direcionamento e intervenção nas situações que se apresentarem no desenvolvimento das atividades.
Além do trabalho em sala quinzenalmente, pretende-se a formação de um Coral de LIBRAS, o qual se apresentará nos diversos eventos da Unidade Escolar.
A avaliação será de maneira contínua, todos os agentes envolvidos darão sua contribuição na avaliação do projeto. Utilizar-se-á de auto-avalição e análise do envolvimento e participação, bem como de relatórios das experiências vivenciadas.

  
  4
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS



GUARINELLO, A. C. O papel do outro na escrita do sujeito surdo. [S. I]. : Plexus, 2007.

MACHADO, R. Educação inclusiva: revisar e refazer a cultura escolar. [S. I. : s. n], 2006. 


Preserve os direitos autorais dando os devidos créditos ao autor do projeto: Chyntia Silva Teixeira

Um comentário:

  1. gostei de seu trabalho. Parabéns pelo seu nivel de conhecimento...

    ResponderExcluir